Gatos Adultos – Dicas de Saúde

Reprodução

O cio nas gatas acontece por volta dos seis a nove meses de idade e depende da época do ano, geralmente na época mais quente e com maior luminosidade. O cio pode durar de 5 a 14 dias em épocas quentes, e em épocas menos quentes, de 1 a 6 dias. Os ciclos de cio se sucedem a cada 15 ou 20 dias enquanto elas não forem fecundadas. Nesta fase, elas rolam no chão, ficam se esfregando pela casa e emitem sons diferentes. As gatas não têm perdas sanguíneas como as cadelas.
O macho começa a acasalar mais cedo, porém é dos nove aos doze meses que ele consegue fecundar a fêmea. Eles são atraídos pelo cheiro característico liberado por ela, além de outros sinais e também marcam sua presença através de borrifos de urina, que deixam um cheiro muito forte. Nos períodos de acasalamento ocorrem violentas brigas entre machos pretendentes. O acasalamento é muito rápido e termina com um rugido agudo da fêmea, que repele violentamente o macho.
Nas horas seguintes ocorrem vários acasalamentos, que são suficientes para desencadear ovulações. Esta perfeita sincronização entre acasalamentos e ovulação explica a grande prolificidade da espécie felina. Caso não haja fecundação, os cios voltarão após cerca de 20 dias. O período de gestação dura, em média de 59 a 68 dias. Em média nascem entre 4 a 5 filhotes.
O aleitamento tem duração média de cinqüenta dias. O leite materno é o principal alimento no início da vida do gato, que além de ser uma saudável fonte nutritiva, fornece anticorpos para o filhote através do colostro. O desmame ocorre a partir da quarta semana.
É recomendado castrar o animal tanto macho quanto fêmea no primeiro ano de vida para ajudar a combater o problema da superpopulação de animais evitando assim o aumento no número de animais abandonados, pois uma gata pode dar origem a mais de 200 descendentes em menos de 2 anos. Outra vantagem da castração é evitar os inconvenientes ligados à atividade sexual, evitando também inúmeras doenças e parasitas.
Além disso, as estatísticas mostram que a expectativa de vida dos gatos estéreis é duas vezes maior do que dos gatos não esterilizados, muito mais expostos a brigas e acidentes.

O que fazer nas emergências mais freqüentes?

  • Diarréias: Diarréias freqüentes (três ou quatro episódios em um curto espaço de tempo), principalmente se houver sangue, podem ser consideradas como emergência devido ao perigo de desidratação. Podem ter várias origens. Verificar características das fezes para passar ao veterinário o maior número de informações possíveis.
  • Vômito: Pode ocorrer quando o animal se alimenta exageradamente e rapidamente (regurgitação), ingestão de alimentos estragados, ingestão de plantas ou bolas de pêlos no estômago. Caso esses vômitos se tornem freqüentes leve-o ao veterinário.
  • Envenenamento/Intoxicação: Nos casos de envenenamento (ingestão acidental de medicamentos, pesticidas, material de limpeza) leve-o acompanhado do veneno suspeito ao veterinário o mais rápido possível. A causa de envenenamento mais comuns em gatos é comendo o rato que ingeriu o produto ou entrando em contato direto com o veneno.
  • Hemorragia externa: Comprima o local com compressas ou ataduras no ferimento mantendo-as até que você possa entra em contato com o veterinário.
  • Excesso de calor: Muito cuidado ao deixar o gato no carro em dia de sol, pois o aumento da temperatura interna do veículo é rápido e o animal sofrerá com o calor. Caso o animal fique ofegante, com pulso rápido e babando excessivamente ponha-o imediatamente num banho de água fresca, caso ele não se recupere imediatamente leve-o ao veterinário.
  • Picada de inseto: São dolorosas e segundo a localização o gato pode ter complicações. Se o local ficar excessivamente inflamado e/ou o animal apresentar inchaço na face e/ou membros leve-o ao veterinário.

Entendendo o comportamento dos gatos e aprendendo a lidar com eles

Os gatos se utilizam na maioria das vezes, da linguagem corporal para passar suas mensagens. O que acontece é que nós, muitas vezes, não conseguimos entender estas mensagens. Por esse motivo, muitas pessoas chegam a formar uma imagem errônea a respeito dos gatos, considerando-os falsos, traiçoeiros ou interesseiros. Mas tudo isso pode ser uma má interpretação do dono por não reconhecer tantos sinais do corpo quanto da voz dos felinos.
Observe seu gato, é através da observação que você irá desvendar o mistério de sua comunicação.
Segue abaixo alguns dos sinais e seus significados:

  • Arqueando as costas: O gato o faz para parecer maior. Isso pode apavorar o inimigo, sendo um sinal de repulsa.
  • Cauda solta e relaxada: demonstra tranqüilidade ou indiferença.
  • Cauda levantada: demonstra interesse.
  • Cauda ereta com a ponta balançando gentilmente: o gato está demonstrando carinho.
  • Cauda ereta com a ponta balançando rapidamente de um lado para o outro:demonstra aborrecimento.
  • Cauda no chão mexendo a ponta ocasionalmente: pode indicar que o gato está pensativo ou um pouco irritado.
  • Cauda chicoteando: Indica irritação.
  • Sinais de ameaça: pupilas dilatadas, boca aberta mostrando os dentes e emitindo som forte.
  • Sinal de contentamento: olhos levemente fechados, orelhas voltadas para frente e às vezes emitem um ronronar.
  • Bigodes inclinados para frente: Indica que ele está mal humorado. Junto com esta expressão, pode ainda ficar com as orelhas eretas dobradas para trás, que significa que está ficando raivoso.
  • Sinal de fome: geralmente ele fica sentado, o rabo abaixado, o pescoço fica erguido e esticado. Mia tristemente para alguém atender seu pedido. Já os filhotinhos, quando estão com fome, choram muito parecidos com bebês. Ele vai chorar se sentir fome, frio e até se estiver longe da mãe.
  • O gato se esfrega em você: está demonstrando não só carinho como está transferindo o odor do seu corpo, reivindicando você como parte do seu território.
  • O gato deita e rola: Demonstra felicidade e satisfação.
  • O miado: Os variados miados do gato são utilizados nas diferentes situações de formas bem distintas. Portanto, com o tempo e a convivência, chega-se a um ponto em que o dono é capaz de entender perfeitamente o que o animal está querendo.
Compartilhe